" Alcanço "


  

Uma mão que se estende ao azul,

a vida ao norte, ao sul.

O mar é logo ali,

ao alcance dos meus ramos.

Sou assim, posso até não transmutar em flor,

mas espalho meus ramos para onde o vento me chama,

e ele clama,

proclama...

...inflama.

O azul fecunda o verde,

e verte é um flerte,

um ramalhete folheado de vida.

A sina assina o dom do destino,

neste infinito sem paragem,

sem aragem...

e sem o mínimo tino.

Que bom.

                                                  ( Marcio Rutes )

3 comentários:

Uma superfície de gelo ancorada no riso disse...

Sou serpente,
pente
desembaraçando os cílios
delírios de ver-te
ter-te
no presente
inerte nesse verde
sombreado
nessa tez
de ver(da)de ensolarada.
Sou,
essa esporádica
e fecunda vez
e os meus aplausos
aos dois,
outra vez!

Huhuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu
Mas eu sabiaaaaaaaa!! Que showwwwwwwwwwwwwwwww
Beijoca para o Nelsito e para o Marcito! hehe

Maginíficos!

beijoa na alma,
Sam.

L.Reis disse...

Vamos lá estender mãos em direção ao azul e tocar outros dedos do lado de cá...do lado de lá...

Remus disse...

A beleza da simplicidade.
Bela fotografia.